Guia de Sobrevivência do Atleta no Natal (Parte 2)

O período natalício não tem necessariamente de ser uma desgraça relativamente ao nosso treino e dieta, podemos utilizar diversas estratégias para tornar esta época saborosa e manter o plano fitness em curso.

21.12.2016

Guia de Sobrevivência do Atleta no Natal (Parte 1)

 

Agora surge a maior questão, a questão da dieta de Natal. Estivemos 3 meses a treinar duro para ganhar músculo mas ficando em boa forma física, ganhámos algum músculo mas mantivemos o percentual de gordura em baixo, tudo perfeito até agora e então vem o Natal complicar tudo.

Meses a controlar a dieta sem exageros e surge um enorme teste a uma força de vontade que sabemos que não vamos ter com tanta exposição a comidas deliciosas, doces, chocolates e afins, para não falar da pressão social para comer bem nestas alturas de festas familiares.

A primeira ideia é recordar-nos da técnica que sugerimos de Overreaching para o treino e  adaptá-la sob a forma de Undereating para este caso, ou seja durante a semana conducente ao dia de natal (ou dias), adoptariamos uma estratégia de redução alimentar de gorduras e hidratos de carbono para níveis baixos, tal como 25% do normal ingerido, e no caso deste ano, o fim de semana de Nata seria como que um buffet livre de tudo, inclusive de culpa.

Então durante os dias antes e depois do natal comeríamos menos calorias, para que as extra consumidas nos dias de natal, juntando a média, perfaçam quase o idêntico à dieta normal durante um período similar de tempo, e este método até poderá dar um impulso ao metabolismo através do choque entre o consumo baixo e depois alto de calorias, o que será benéfico para os nossos objetivos de ganhos de massa muscular sem adição de gordura. E, psicologicamente falando, a pressão livre de um par de dias a comer à vontade sem pensar em contar calorias, pesar alimentos e outras peculiaridades da dieta do dia a dia, faz maravilhas para renovar a motivação e afastar do cansaço da rotina.

Os alimentos consumidos durante o Natal também não têm que ser assim tão ruins ou graves para a dieta. Há uma abundância de proteína disponível na forma de peru, carne assada ou carne de porco. Comer proteínas aumenta a saciedade e pode muito bem evitar ou diminuir “enchermos a pança” o resto do dia com alimentos menos nutritivos e mais calóricos. Ao nos certificarmos de que consumimos proteína em todas as refeições,  torna-se menos provável episódios de consumo compulsivo nas refeições ditas mais pesadas.

Temos também disponível uma vasta abundância de legumes e vegetais num tradicional jantar de Natal. Encher o prato com os mesmos irá garantir que ingerimos uma abundância saudável de micronutrientes (uma boa ideia se você esqueceu o seu multivitamínico em casa), bem como uma boa dose de fibra. Esta fibra, tal como a proteína, irá deixar-nos bem cheios e como referido anteriormente, impedir o consumo excessivo de outros alimentos não tão saudáveis e bem mais calóricos.

O Natal também é um bom momento para obter muitas gorduras saudáveis. A carne contém níveis decentes de gordura,geralmente acompanhada de uma boa quantidade de vitaminas e minerais, bem como diversos tipos de nozes na mesa.

Se já vimos que podemos de certa forma comer de tudo nas noites de Natal, há algo que devamos evitar mesmo? Bem, como um atleta devemos moderar a ingestão de álcool, se na verdade  optarmos por consumir algum. O álcool tende a ser bastante elevado em calorias vazias e baixo em nutrientes, e também pode levar a más tomadas de decisão devido à embriaguez que provoca, o que aumenta ainda mais a probabilidade de comer em excesso.

Esperemos que tenhamos sido úteis a ajudar a formular o vosso plano de Natal Fitness e que desta forma tudo prossiga sobre rodas nos vossos objetivos, desejamos a todos um Excelente Natal.

Escrito por:

José Quinta

José Quinta


O que melhorarias neste artigo?




O conteúdo podia ser...





Cancelar

GOSTAS DESTE ARTIGO?