O que deve saber sobre a creatina?

Antes de começar a tomar creatina, só porque ouviu coisas positivas sobre a mesma, primeiro deve saber bem como esta funciona e depois decidir qual o tipo a tomar e como.
02.03.2017



A creatina é um aminoácido naturalmente presente no corpo. Esta é muito importante a nível das contrações e fornecimento de energia aos músculos durante o treino. A creatina está presente naturalmente na maior parte da carne e o corpo também a pode produzir derivado de outros aminoácidos tais como a arginina, glicina ou metionina, mas provavelmente isto não chegará, caso pratique um treino pesado. Antes de explicar melhor o seu uso, é importante perceber exatamente o que é a creatina.

Cerca de 95% da creatina encontrada no nosso corpo está presente nas células musculares.

Como funciona a creatina?
A nossa fonte primária de energia é o ATP (adenosina trifosfato) e, tal como o nome sugere, este consiste em 3 moléculas de fosfato, sendo que uma das moléculas se rompe durante a utilização. A creatina passa esta molécula de fosfato para o restante ADP, que agora se converteu em adenosina difosfato, e assim passa a criar novamente o ATP, que pode ser usado como nova fonte de energia.

Assim sendo, quanto mais creatina estiver disponível no corpo, mais poderá aumentar a intensidade das suas sessões de treino.

Para quem se recomenda a creatina?
Esta é recomendada para quem não pratique treinos de duração, moderados ou de baixa intensidade. Isto significa que a creatina é uma escolha ideal para quem pratica corrida, atletas, desportos de força e culturistas, a fim de aumentar a intensidade do seu treino. Nos casos de treino de baixa ou moderada intensidade, o corpo não esgota a sua fonte de ATP, e passado algum tempo, começa a utilizar a gordura como fonte de energia.

Reabastecimento de creatina, sim ou não?
É geralmente aceite que o tratamento de creatina deve começar com uma fase de reabastecimento, mantendo depois uma quantidade mais reduzida durante um período específico. No entanto, muitas pessoas sofrem de problemas de estômago e digestivos, derivado a um maior consumo de creatina durante a fase de reabastecimento. Para esse tipo de pessoas, não se recomenda começar com grandes quantidades.

O método de consumo típico será de 20 g de creatina durante 5-7 dias, depois reduzir para 10 g durante o período seguinte, que pode durar de 2-3 meses. As quantidades determinadas devem ser consumidas em 2 a 4 doses. Obviamente, referimo-nos à forma de monoidrato de creatina.

No caso dos produtos modernos que contêm mais ingredientes ativos que ajudam na digestão, absorção e eficácia, o consumo recomendado pode variar. Existem produtos com adição de citrulina, cafeína e arginina, tais como o Creator em cápsulas que contêm 5 tipos de creatina, por isso uma dose menor poderá ter melhores resultados. No entanto, existem outros produtos, tais como o Creatine ph-X, também em cápsulas, que não contém outros ingredientes ativos, mas o formato de creatina tamponada de 3 g é também muito eficiente em ajudar a absorção. A nível dos produtos em pó, além dos 2 diferentes tipos de creatina, o CreaTrans também contém aminoácidos e uma matriz especial de hidratos de carbono, para melhorar a absorção. Este é especificamente recomendado para a fase de enchimento. A fórmula em pó Crea Flash contém um complexo energizante, mas sem açúcar, por isso é bom para quando se procura um pouco mais de energia. A embalagem em doses individuais é muito prática, uma vez que pode levar facilmente para todo o lado!

BioTechUSA


O que melhorarias neste artigo?




O conteúdo podia ser...





Cancelar

GOSTAS DESTE ARTIGO?